Sinais de desidratação

Com a chegada do tempo quente, mesmo que tarde, chegam também alguns cuidados a ter na nossa alimentação e ingestão de líquidos. 

A hidratação é fundamental, principalmente se praticamos algum exercício, bem como nas crianças pequenas, nos bebés e nos idosos, sendo essencial nos meses de maior calor.

A desidratação acontece quando o nosso organismo não tem água suficiente para funcionar de forma correta, quando a saída de líquidos é superior á quantidade que ingerimos. 

Pode acontecer de forma lenta ou rápida, consoante vários factores, nomeadamente a idade e a forma como se perdem estes líquidos. As causas mais frequentes são a pouca ingestão de líquidos ou a perda dos mesmos devido a vómitos e/ou diarreia. Contudo, com as temperaturas a aumentar, o nosso organismo obviamente necessita de mais água. É no verão que perdemos mais liquídos, por conta da transpiração e salivação.

Alguns sinais de desidratação:

  • Sede aumentada 
  • Pele seca
  • Pele fria ou a transpirar
  • Cansaço aumentado
  • Tonturas e/ou desmaio
  • Baixo nível de energia e cãibras
  • Boca e/ou língua secas e pegajosas
  • Choro sem lágrimas (em bebés e crianças)
  • Urina de cor escura ou sem urinar por mais de 8 a 12 horas.

 

Prevenir a desidratação

O ideal será ingerir bastante água todos os dias e dessa forma estamos já a prevenir ficar desidratados, contudo, e tendo em conta que a maioria das pessoas não ingere o suficiente diariamente, sugere-se o aumento gradual de ingestão de água, mesmo antes do calor chegar. Podemos também, consumir frutas com maior percentagem de água: melão, melancia, ananás, morango, etc. 

Importante ressalvar que, sumos, refrigerantes e bebidas alcoólicas, aumentam apenas o açucar no nosso organismo, como tal não são recomendáveis. 

Como últimos conselhos digo-vos que: 

  • Não fiquem á espera de sentir sede, pois chegando a esse ponto, é sinal que o nosso organismo pode já ter iniciado um processo de desidratação, o melhor será ir bebendo água ao longo do dia. 
  • Não se esqueçam de consultar sempre um profissional de saúde. Eles são quem melhor pode orientar e também, fazer um correto diagnóstico.

 

Este texto é meramente informativo. 

 

Eu, Paula.